Archive for the Tutoriais Category

Inspiração para diagramação de álbuns

Posted in Tutoriais with tags , , on dezembro 13, 2010 by Altair Hoppe

Tenho sempre recebido muitos pedidos para publicar dicas sobre diagramação de álbuns de casamento e books. Além do material que publico, uma fonte excelente de inspiração é o site do fotógrafo e designer Marcelo Caetano – que nada mais é do que o responsável pela diagramação dos álbuns do fotógrafo e amigo Evandro Rocha. Além de um blog com dicas de plug-ins e truques na diagramação, Marcelo disponibiliza alguns álbuns do seu portfolio para apreciação dos visitantes. Um trabalho bem consistente e meticuloso que vale a pena conferir e prestigiar. O endereço é www.marcelocaetano.art.br.

Como simular tons HDR

Posted in Photoshop, Tutoriais with tags , , , , , , , , on novembro 30, 2010 by Altair Hoppe

O tratamento de imagens com a técnica HDR, cada vez mais, ganha mais espaço em álbuns e books. Antes mais restrita a publicidade, as cores e volumes do HDR, definitivamente, conquistaram novos horizontes. Hoje, fotógrafos de casamento e adeptos de ensaios em externa, seja de noivos ou modelos descobriam no HDR uma alternativa para diversificar a linguagem de suas imagens. Mas para criar um HDR há um requisito importante e complexo para profissionais que trabalham com fotografia de gente. Os elementos em cena não podem estar em movimento durante a captura das três fotos necessárias para criar o HDR. Como assim? É isso mesmo. Para você fazer uma imagem HDR, você precisa capturar três fotos: uma subexposta, uma superexposta e outra normal. Para fazer isso, usamos a função AEB (disparo seqüencial com compensação). Nela podemos, por exemplo, fazer uma foto com -2, 0 e +2 pontos de compensação. Ou seja, teremos uma foto escura, uma clara e uma normal. E isso acabou se transformando num problema para a criação de imagens HDR. Como na fotografia de gente, os personagens estão em movimento, automaticamente, a aplicação do HDR ficava mais restrita. Ficava. Na nova versão do Photoshop CS5, por exemplo, podemos simular as cores e volumes HDR a partir de uma única imagem JPEG, por exemplo, através do comando Tonalização HDR / HDR Toning, que está dentro do menu Imagem > Ajustes / Image > Adjustments. Neste post, vamos mostrar como simular um HDR através do Adobe Camera RAW – plug-in embutido no Photoshop. Lembrando que essa técnica pode ser também aplicada no Lightroom fazendo os ajustes nos mesmos comandos. Vamos lá!

Abra o gerenciador de arquivos da Adobe, o Bridge e vá na pasta com as imagens. Selecione a imagem JPEG ou RAW que pretende criar o HDR (fig. 1).

A seguir, vá no menu Arquivo / File e selecione o comando Abrir no Camera Raw / Open in Camera Raw (fig. 2). Se preferir, use o atalho Ctrl R.

Aguarde alguns segundos até aparecer a área de trabalho do ACR. Veja que no lado direito há um painel com vários comandos de ajuste, entre eles o Recuperação / Recovery. Aumente o valor para 100. Um pouco abaixo, temos o comando Luz de Preenchimento / Fill Light. Novamente, defina o valor em 100 (fig. 3). Dessa forma, suavizamos as sombras e preenchemos os realces da imagem. O objetivo desses dois ajustes é recuperar detalhes nas sombras e nas altas luzes. O efeito é parecido com o Alta Freqüência / High Pass do Photoshop. Ficamos com a sensação que a imagem está mais nítida e com mais dimensões.


A próxima etapa é realçar as cores e volumes. Bem na parte inferior do painel de ajustes básicos do Adobe Camera Raw há o controle Claridade / Clarity. Geralmente, usamos ele para suavizar pele, mas neste exemplo, vamos recorrer a ele para aumentar os volumes da imagem. Arraste o controle para a direita até a foto apresentar bastante profundidade (fig. 4).

Finalmente, precisamos ampliar a intensidade das cores – característica marcante de imagens HDR. Primeiro, ajuste o comando Vibratilidade / Vibrance e depois o Saturação / Saturação. Aumente os controles até que as cores fiquem bem impactantes (fig. 5).

Pronto, a imagem está com o tratamento no estilo HDR. Depois aumentamos apenas um pouco o contraste e inserimos uma leve vinheta nas bordas da imagem. Compare a imagem antes e depois do tratamento.

Ficou impressionado? E isso é só uma amostra de todo o potencial de um tratamento HDR. Com apenas uma imagem conseguimos um resultado bem interessante, imagine se puder fazer um HDR legítimo com três ou mais fotos? E aqui vai uma dica. Faça suas imagens em RAW e depois via Adobe Camera Raw ou o Lightroom crie uma imagem subexposta e outra superexposta para produizr uma imagem HDR ainda mais consistente. Até a próxima!

O filtro mágico do Photoshop

Posted in Photoshop, Tutoriais with tags , , , , , on agosto 17, 2010 by Altair Hoppe

Cada vez mais precisamos de velocidade no processo de tratamento e edição de imagens. E isso, nem sempre é possível dentro do Photoshop. Uma das soluções mais eficientes para acelerar o fluxo de trabalho, sem dúvida, é o plug-in Adobe Camera Raw. Um pequeno aplicativo que a Adobe inseriu no Photoshop desde a versão 7.0. Inicialmente, ele servia apenas para o tratamento de arquivos no formato Raw. Mas desde o Photoshop CS3, o Camera Raw abre arquivos JPEG e TIF, por exemplo. E o melhor de tudo! Você não se preocupar em baixar ou instalar ele no seu computador. Porque ele já está instalado. Quando você faz a instalação do Photoshop, automaticamente, o Adobe Camera Raw também é adicionado. Que ótima notícia! Então, como fazer para usa-lo? Simples, abra o Adobe Bridge, que é o gerenciador de arquivos do seu Photoshop, entre na pasta com as imagens, clique sobre um arquivo e pressione Ctrl R. Pronto, você está no Camera Raw.

Neste post, vamos conhecer um filtro espetacular para o tratamento de fotos. Trata-se do filtro de Graduação / Graduated Filter. Ele permite melhorar rapidamente a exposição, brilho, contraste, saturação, suavidade, nitidez e cores da imagem. Se você precisa simular um filtro de polarização no céu ou melhorar as cores das suas imagens, sem dúvida, o Graduated Filter vai resolver seus problemas. Mostraremos como é simples transformar fotos comuns em imagens extraordinárias. Vamos ver como isso funciona passo a passo.

Figura 1

Veja a figura 1. Observe como as cores do céu e da paisagem de maneira geral estão apagadas, sem graça. Portanto, nosso objetivo, com a ajuda do Graduated Filter, é melhorar a intensidade das cores. Então, vamos lá. Primeiro, acesse o Adobe Bridge, clique sobre a miniatura da imagem e pressione o atalho Ctrl R para abrir a imagem no Adobe Camera Raw (fig. 2), que daqui por diante chamaremos apenas de ACR.

Figura 2

Com a imagem aberta no ACR, selecione na barra de ferramentas o Filtro de Graduação / Graduated Filter. O atalho para ativa-lo é a letra G. Observe que ao acionar o filtro aparece um novo painel com comandos e ajustes especiais para o Graduated Filter no lado direito da tela (fig. 3).

Figura 3

Veja que nele podemos regular a exposição, brilho, contraste, saturação e muito mais. Inicialmente, reduza um pouco apenas o comando Exposição / Exposure. A seguir mova o cursor bem no meio do céu, clique e arraste para baixo. Observe que conforme faz o movimento de arrastar é criada uma faixa sobre a imagem. Aumente ela até que o efeito cubra todo o céu (fig. 4).

Figura 4

Desta maneira simulamos um filtro polarizador, mas podemos melhorar bem mais o efeito aumentando um pouco mais o comando Saturação / Saturation e Contraste / Contrast (fig. 5).

Figura 5

Agora melhorou bastante, mas veja que o tom da cor ainda não está muito bom. Para muda-la clique sobre o quadrado com um “X” dentro ao lado da palavra Cor / Color. Assim, teremos um seletor de cores. Selecionamos um azul mais claro sugerido pela paleta e o céu sem cores já era! Agora está bem azul e vibrante (fig. 6).

Figura 6

O segundo passo é mover o cursor na parte inferior do campo criar uma faixa de graduação até o início do céu. Inicialmente, são repetidos as mesmas configurações do último filtro, mas como queremos deixar os tons do campo mais intensos, aumentamos a exposição, o contraste, a saturação, e principalmente, mudamos a cor de azul claro para um verde claro (fig. 7).

Figura 7

É quando a mágica das cores acontece. Num piscar de olhos, as cores saltam aos olhos e a imagem fica com um aspecto muito melhor. Em alguns casos, precisamos aumentar ou reduzir a faixa de atuação do Graduated Filter. Para fazer isso, mova o cursor sobre o ponto verde ou vermelho no centro faixa, clique e arraste para cima ou para baixo. Como sugestão de acabamento, podemos aplicar um vinheta bem suave nas bordas da imagem. Abaixo, compare o antes e o depois.

* Este artigo também foi publicado na revista Fotografe Melhor / Número 167 / Agosto 2010

Altair Hoppe >> A mágica do Content-Aware do Photoshop CS5

Posted in Photoshop, Tutoriais with tags , , , , , on junho 12, 2010 by Altair Hoppe

A mais impressionante das ferramentas do novo Photoshop CS5, sem dúvida, é o Content-Aware. Fotógrafos e profissinais de imagem estão estarrecidos com a rapidez e precisão dela. Basta fazer a seleção na área da imagem a ser removida, ativar o comando e pronto! Parece mágica, mas na verdade é uma ferramenta bem desenvolvida e de certa forma “inteligente”. Embora, após usar já fico com aquela a impressão de que vamos precisar de comandos adicionais para fazer ajustes finos nas imagens. Por enquanto, quando a ferramenta não dá o resultado perfeito recorremos ao velho e bom Carimbo (Clone Stamp) ou ao Pincel de Recuperação (Healing Brush). Mas isso não é um grande problema, o importante é que temos uma ferramenta que está agilizando muito o nosso fluxo de trabalho.

Para matar a curiosidade, vamos ver um exemplo disso na prática. Observe a imagem abaixo. Nela podemos fazer duas edições com o Content Aware: ou remover o casal de “velhinhos” ou remover o banco. Neste caso, optamos pela remoção do casal.

Então, o primeiro passo é criar uma seleção ao redor do casal, e isso fiz com a ferramenta Lasso Tool (L), sem muita precisão mesmo, até porque isso não é tão necessário neste exemplo.

A seguir, basta acessar o menu Edit (Editar) e selecionar o comando Fill (Preencher). Quando abrir a caixa de diálogo, observe se na opção Use está ativado o Content-Aware. Se sim, basta confirmar o comando.

Em alguns segundos a imagem está pronto, perfeita, sem erros de transição ou falhas de luminosidade. E se caso isso acontecesse, bastaria selecionar uma ferramenta de edição e fazer os pequenos ajustes. Veja o antes e depois da edição.

Mas isto quer dizer que o Content-Aware funciona em qualquer imagem? Não é bem assim. Dependendo da complexidade do fundo ou das áreas próximas a área selecionada o Content-Aware pode se confundir e a edição final ficar errada. Se isso acontecer, devemos voltar ao processo de edição e remoção tradicional (Carimbo ou Healing). O truque é escolher as ferramentas mais produtivas para fazer as edições, caso elas não funcionem, aí partimos para processos mais lentos com outros filtros e comandos. O objetivo é qualidade e rapidez, quando possível, ótimo, se não, paciência e dedicação.

Altair Hoppe >> Adobe lança a versão final do Lightroom 3

Posted in Lightroom, Tutoriais with tags , , , , , on junho 9, 2010 by Altair Hoppe

A Adobe liberou hoje (08/06/2010) para download a versão final do Lightroom 3. Depois de meses nas versões beta 1 e 2, finalmente temos a versão final. Além dos recursos presentes nos betas, entre as novidades estão um filtro muito bom para reduzir ruídos, aplicação de marca d’ água mais flexível, simulação de grãos (estilo filmes analógicos), caixa de importação mais fácil, filtro de correção de lente para remover distorções, além de avançados no modo de apresentação, como por exemplo a possibilidade de exportar em formato .MP4. Nos próximos dias vamos publicar as novidades por aqui. Por enquanto, baixe a versão trial e veja como funciona. Para baixar acesse o site da Adobe – www.adobe.com/downloads. No site da Adobe TV já existe alguns vídeos mostrando os novos recursos (http://tv.adobe.com/product/lightroom/). Vale a pena dar uma olhada!

Altair Hoppe > Desativar sistema de abas no Photoshop

Posted in Photoshop, Tutoriais with tags , , , , , on junho 2, 2010 by Altair Hoppe

Muita coisa fantástica foi introduzida nas últimas versões do Photoshop, mas se há uma coisa que a grande maioria dos profissionais não gostou foi o sistema de abas. Ao invés do velho sistema de arquivos flutuantes, agora quando você abre uma série de imagens, na área superior da tela temos lado a lado pequenas abas (veja figura acima). A ideia era facilitar a navegação entre arquivos, mas na prática, boa parte dos usuários não gostaram, não se adaptaram. Se você é um deles e deseja voltar ao sistema antigo, faça o seguinte: pressione a tecla de atalho CTRL K, para acessar o comando Preferences, a seguir clique na seção Interface (segunda opção no lado superior esquerdo). Finalmente, para desabilitar o sistema de abas, desligue a opção: Open Documents as Tabs (veja seta na figura abaixo. Pronto! Adeus, sistema de abas. As próximas imagens abertas no Photoshop serão pelo sistema flutuante.

Altair Hoppe >> Criando backgrounds e padrões no Photoshop

Posted in Photoshop, Tutoriais with tags , , , , , , , , , , , , , , , on fevereiro 2, 2010 by Altair Hoppe

Quando estamos elaborando um folder, catálogo, peça publicitária ou fazendo a edição de um álbum fotográfico, nem sempre os elementos fotográficos permitem a finalização do trabalho. Às vezes, precisamos criar fundos, texturas e padrões para aplicar na composição do layout. Nesta lição, vamos mostrar como criar no Photoshop os backgrounds, que, se bem elaborados, aumentam muito a qualidade final do trabalho destacando melhor os elementos principais da criação.

A maneira mais simples e tradicional de criar um background é preencher a camada com uma cor sólida, um gradiente de duas cores ou aplicar efeitos de mesclagem e distorção sobre uma fotografia. Sem muito esforço e criatividade obtemos fundos bem interessantes. Mas quando precisamos de um background personalizado, a tarefa é mais difícil. Neste tutorial, vamos nos deter nas dificuldades. Veja como fazer no seguinte passo-a-passo.

Crie um novo arquivo pelo menu Arquivo > Novo / File > New nas seguintes dimensões: 1800 por 2400 pixels eom 300DPIs. Nosso objetivo é criar um background para aplicar no fundo de uma publicidade. Selecione a ferramenta Letreiro Retangular / Marquee (M) e crie uma seleção em forma de barra. Defina uma cor de primeiro plano e preencha. Neste exemplo, usamos um violeta escuro. Duplique essa camada com o atalho Ctrl J. Com a ferramenta Mover / Move (V) arraste a barra duplicada bem ao lado da outra. A seguir, acesse o comando Matiz/Saturação / Hue/Saturation com o atalho Ctrl U. Ligue a opção Colorir / Colorize e crie um tom ligeiramente mais claro (fig. 1).

Agora mescle as duas camadas com o atalho Ctrl E. Neste ponto, temos duas pequenas barras lado a lado. Em vez duplicar e arrastar manualmente essas barras até preencher todo o fundo, vamos automatizar essa tarefa criando um Padrão / Pattern. Um padrão é uma imagem repetida ou colocada lado a lado para preencher uma camada ou uma seleção. O Photoshop possui uma série de padrões predefinidos, mas que, normalmente, não servem para muita coisa. Por isso, precisamos criar nossos padrões personalizados. Com as barrinhas prontas, pressione a tecla Ctrl e dê um clique na miniatura das barras na paleta Layers. Observe que é criada uma seleção ao redor das barras. Depois copie (Ctrl C), crie um novo Arquivo (Ctrl N) e cole as barras (Ctrl V). A seguir vá ao menu Editar > Definir Padrão / Edit > Define Pattern. Digite um nome para o padrão na caixa de diálogo (fig. 2).

Pronto, a parte mais difícil está finalizada. Volte ao arquivo original para executar a parte mais divertida. Crie uma nova camada e acesse o botão Criar Camada de Ajuste ou Preenchimento / Create a new fill or adjustment layer na base da paleta Camadas / Layers e selecione o comando Padrão / Pattern (fig. 3).

Automaticamente, o comando Padrão seleciona as suas barras e preenche toda a camada. Se necessário, podemos alterar, por exemplo a escala, que aumenta ou diminiu o tamanho das barras (fig. 4). Prático, não!

Após preeencher a camada com a padrão, você pode aplicar filtros de distorção como o Twirl / Redemoinho, que está no menu Distort (Distorção) ou o filtro Polar Coordinates (Coordenadas Polares). Com o fundo pronto, aplicamos uma foto como sugestão de arte. Veja o resultado na figura 5. Através desse método podemos criar backgrounds maravilhosos de forma rápida e precisa. É uma questão puramente de criatividade, ou às vezes, necessidades do dia-a-dia.

* Este tutorial originalmente publiquei no livro Adobe Photoshop para Fotógrafos, Designers e Operadores Digitais – Volume 3, mas como recebi muitos pedidos de como fazer padrões e backgrounds (fundos) no Photoshop estou republicando por aqui no blog.

Altair Hoppe >> Plug-in do Photoshop para simular grão de filme

Posted in Photoshop, Tutoriais with tags , , , , , , , , , , , , , , , , on janeiro 28, 2010 by Altair Hoppe

Foto: Juliana Hoppe / Modelo: Carla Oliveira

Se existe um bom motivo para sentir saudades da fotografia analógica, com certeza, esse motivo é o tipo de grão formado pelos filmes. Apesar de cada vez mais raro, cada vez que vemos uma imagem granulada digitalizada ou impressa numa exposição ou revista, primeiro ficamos boquiabertos olhando cada detalhe da fotografia. Aqueles minúsculas grãos que formam a imagem nos prendem e tiram nosso fôlego. É uma linguagem que a fotografia digital deixou para trás. Inclusive, grande parte dos fotógrafos ficam arrepiados quando aparece o ruído digital nas suas imagens. Mas nem tudo está perdido, e não precisamos voltar a fotografar com filmes para incluir grãos realísticos nas fotografias digitais. Mas você pode estar se perguntando: para que ter imagens digitais com grãos? Simples: diversidade de linguagem fotográfica. Assim, podemos com variação de textura nas imagens, dar mais movimento e dinâmica em álbuns de casamento, books e ensaios. Imagine, um álbum inteiro com imagens lisas e coloridas! Não seria muito criativo, com risco de se tornar monótono. Então, a ideia é mesclar fotos coloridas com preto-e-branco, imagens lisas com imagens com grão. Essa mistura de linguagens dá movimento e equilíbrio ao trabalho entregue para noivos, modelos, agências e publicações. Nesta edição apresentar um plug-in fantástico para transformar suas imagens em verdadeiras obras de arte.

No Photoshop, há várias versões temos no menu Filter (Filtro) um comando chamado Add Noise (Adicionar Ruído), que teria o objetivo de simular os grãos nas imagens digitais. Contudo, se comparado aos grãos de filmes, esse filtro não gera um efeito com perfeição. É bom, mas não é excelente. E quando os filtros nativos do Photoshop não resolvem, precisamos recorrer aos plug-ins. Os plug-ins são programas com funções específicas desenvolvidos por outros fabricantes, e que podem ser instalados dentro Photoshop como se fossem filtros adicionais do programa. Há plug-ins para recorte de cabelos, suavização de pele, criação de efeitos diversos, e claro, simulação de grãos.

Um dos plug-ins mais precisos para geração de grãos é o Alien Skin Exposure. Ele reproduz grãos realísticos dos filmes, modelando o tamanho, a forma e os tons dos grãos de inúmeras marcas de filmes e modelos de filmes, como Ilford Delta 3200, Kodak TRI-X 400, Kodak T-MAX 3200 e muitos outros.  Depois de instalar o plug-in na pasta Filter (Filtros) do Photoshop, abra o programa, selecione uma imagem e vamos simular os grãos. Veja a figura 1. Uma imagem colorida de um ensaio sensual.

Para torna-la mais interessante vamos usar o Exposure para adicionar os grãos. Vá no menu Filter / Alien Skin Exposure 2. Veja que dentro deste menu temos a alternativa de trabalhar com filme colorido ou preto-e-branco (figura 2).

Neste exemplo, vamos selecionar Black and White Film. Ao abrir a caixa de diálogo, temos uma lista de filmes preto-e-branco de diferentes características: com grão, sem grão, com baixo contraste com grão, com baixo contraste sem grão, entre outros (figura 3).

Para este tutorial, selecionamos o B&W Films. Ao clicar neste menu, o Exposure abre uma lista de filmes Agfa, Fuji, Ilford e Kodak, de diferentes ISO e modelos. Coloque o zoom de visualização em 100% e escolha um dos filmes, com a granulação mais lhe agrada (figura 4). Desta forma, as características do filme são aplicadas a imagem.

Caso precise personalizar o tamanho do grão, contraste, intensidade de cada canal de cor, selecione os menus adicionais: Color, Tone, Focus, Grain e IR, ajustando os controles conforme sua vontade (figura 5).

Após alguns minutos você terá em sua tela uma imagem muito mais interessante, e que com certeza, irá surpreender seus clientes. Compare a figura 1 com a figura 6 e sinta as diferenças de textura e linguagem.

Mas atenção! Antes de aplicar esse efeito, remova com a ferramenta Clone Stamp ou Healing Brush todas as imperfeições, expressões ou elementos indesejáveis da imagem. Fazer essa tarefa depois da aplicação do Exposure pode comprometer a qualidade final da imagem. Após aplicar o efeito de conversão, como acabamento, podemos aplicar vinheta, refinar nitidez, sombras e realces.

* Publiquei também este artigo na edição deste mês ( janeiro/2010) da revista Fotografe Melhor, onde colabor como colunista.

Altair Hoppe >> Suavizar e corrigir marcas e expressões da pele

Posted in Photoshop, Tutoriais with tags , , , , , , , , , , , , on janeiro 20, 2010 by Altair Hoppe

No Photoshop, além das ferramentas Recuperação do Pincel e Correção (J), que removem manchas e rugas direto na fotografia, o fotógrafo dispõe de mais duas maneiras de tratar imperfeições na pele. Nessa tutorial vamos descrever como usar o comando sujeira e rabiscos e as máscaras para atenuar manchas e marcas, carinhosamente, conhecidos, como pés-de-galinha.  Observe a figura 1.

Note as marcas e pés-de-galinha ao redor dos olhos, acima do nariz, nas bochechas e queixo. Iniciamos o processo de recuperação duplicando a camada com o atalho Ctrl J. Em seguida, acessemos o menu Filtro > Ruído / Filter > Noise e o submenu Sujeiras e Rabiscos / Dust & Scratches. Configuramos as opções de raio e limiar até que as marcas desapareceram do rosto (fig. 2).

Agora criamos uma máscara, pressionado a tecla Alt e clicando no ícone Adicionar máscara de camada / Add Layer Mask, que está na base da paleta Camadas / Layers (fig. 3).

Quando fizer isso, não se assuste. Todos os defeitos do rosto aparecem novamente. A mágica será feita em cima da máscara preta. Selecione a ferramenta Pincel / Brush (B), defina um pincel bem suave na barra de opções e escolha a cor branca como cor de primeiro plano. Agora passe o Pincel em cima de todas as áreas com manchas e rugas. Veja que os defeitos vão sumindo. A vantagem nesse processo é que podemos estabelecer a opacidade do pincel na barra de propriedades da ferramenta (fig. 4) e atenuar mais ou menos as manchas de acordo com a nossa vontade.

A figura 5 mostra a recuperação concluída. Esse é um método simples, rápido e eficiente, principalmente quando temos muitos imagens para corrigir marcas de expressão. Caso não goste do efeito com o Dust & Scratches, você pode alterar o filtro de desfoque para Mediana / Median, Desfoque Gaussiano / Gaussian Blur ou Desfoque de Superfície / Surface Blur.

Altair Hoppe >> Recorte de cabelos no Photoshop

Posted in Photoshop, Tutoriais with tags , , , , , , , , , on janeiro 5, 2010 by Altair Hoppe

Um dos maiores desafios de recortes em fotos, sem dúvida, é o de cabelos. Para alguns usuários chega a ser um pesadelo horripilante e sem fim. Você tenta a ferramenta Laço Poligonal e nada. Tenta a Caneta e nada. Tudo fica duro e sem os fios mais finos. Isso sempre acontece com seus recortes? Se sim, não se preocupe, você pode passar menos trabalho e ter um resultado muito melhor. Para imagens fáceis, com fundos sólidos ou lisos, em cor única, basta usar o comando Extrair / Extract, que está no menu Filtro / Filter (no Photoshop CS4 ele foi removido, mas podemos instala-lo novamente baixando os arquivos do site da Adobe (www.adobe.com). A forma de configurar é bem simples e intuitiva e, na maioria das vezes, você terá um recorte bom, preservando os menores fios. Contudo, há casos mais dramáticos – digo, complicados – em que os cabelos se confundem com as cores e tons de fundo / background. Nesses casos, temos dois caminhos: ou criamos uma máscara, através de um canal de cor, ou usamos a ferramenta Borracha Plano de Fundo / Background Eraser Tool. O caminho da máscara pelo canal é mais demorado e trabalhoso, por isso prefiro a velha e boa borrachinha. Ela dá um resultado igual ou superior ao canal Alfa, mas o seu controle durante o recorte é maior, com a vantagem de você analisar o efeito final durante o processo.

Talvez você esteja se perguntando se essa maravilha para recortes de cabelos está presente apenas no Photoshop CS3. A resposta é não. Esse recurso não é uma novidade do CS3. A Borracha Plano de Fundo existe há muitas versões do Photoshop. Se você tiver, só para citar os mais recentes, Photoshop 7, CS, CS2, também poderá aproveitar o potencial dessa ferramenta. Bem, vamos pôr em prática essa ferramenta! Veja a figura 1.

Nosso objetivo é apagar o fundo, deixando apenas a mulher e seus fios de cabelos mais finos. Vamos lá: duplique a camada (Ctrl J) e desligue a original. A seguir, selecione a ferramenta Borracha Plano de Fundo / Background Eraser. Antes de pensar em apagar qualquer coisa, vá na barra de opções no topo da tela e faça a seguinte configuração: no item Limites / Limits coloque Não-adjacente / Discontiguous e, em Tolerância / Tolerance, defina 100%. Veja ainda que temos três Conta-gotas / Eyerdroppers. Selecione o eyedropper do meio, chamado Amostra Uma Vez / Sampling: Once (fig. 2).

Finalmente, temos o item Proteger Primeiro Plano / Protect Foreground Color. Como o nome sugere, ele protege a cor de primeiro plano. Ligue essa opção. Atenção, isso é muito importante! Agora, selecione a ferramenta Conta-gotas / Eyedropper, mova sobre o tom de cabelo predominante da imagem e clique. Observe que essa amostra vira a cor de Primeiro Plano / Foreground (fig. 3).

Assim, estamos prontos para o recorte de cabelos.
Selecione a Borracha Plano de Fundo e passe sobre os tons do fundo. Mas aqui vale uma ressalva: quando clicar, mantenha o botão do mouse pressionado e apague todos os tons daquela cor (fig. 4).

Às vezes, ficam algumas áreas semi transparentes. Depois, também apague-as. Se você sentir que a Borracha está apagando a pele da modelo, por exemplo, reduza um pouco mais o valor da Tolerância. Mas, se as bordas ou os fios dos cabelos estão ficando muito duros, aumente a tolerância. Em alguns minutos temos a imagem recortada (fig. 5).

Para facilitar a visualização durante o recorte com a Borracha, você pode criar uma nova camada e preencher, por exemplo, com um fundo verde (fig. 6), ou inserir uma outra imagem como plano de fundo. A figura 7 mostra o resultado final com a imagem aplicada num fundo com textura . Observe que o efeito mostra bem os fios de cabelos.

Muito bem. Parece simples. De fato, o processo é bem fácil, o que varia e dificulta são as imagens. Nem sempre temos uma imagem com um fundo contrastando com a imagem, como no do exemplo acima. Muitas vezes, os tons do fundo se misturam com as cores do cabelo. Será que a Borracha Plano de Fundo também funciona neste caso? Sim. Mas teremos que ter muito mais cuidado e gastaremos mais tempo para finalizar a imagem. Se o tipo de imagem que você faz recorte é desse tipo, primeiro apague a cor do fundo mais predominante e depois selecione, uma após outra, as cores restantes. Sem dúvida, no Photoshop, a Borracha Plano de Fundo é um dos recursos mais sofisticados para o recorte de cabelos. Com um pouco de prática você fará verdadeiros milagres. Até a próxima!