Arquivo para Avatar

Altair Hoppe >> Como criar um Avatar no Photoshop?

Posted in Photoshop, Vídeos with tags , , , , , , , , , , , , , on janeiro 8, 2010 by Altair Hoppe

Meu assessor de imprensa, Joel Minusculi, um expert em assuntos virtuais, redes sociais e internet, encontrou esse vídeo que mostra como um usuário de Photoshop fez para criar um Avatar – personagem do filme de James Cameron. O processo consiste numa fusão associada a elementos de criação. O vídeo está em processo acelerado, mas dá para ter uma boa ideia de como se faz. As ferramentas aplicadas são o Dodge e Burn (Superexposição e Subexposição), para escurecer e clarear áreas especificas, o Brush (Pincel) para fazer as pintas brancas no rosto e criar cabelos. Os olhos foram colados de outra imagem, ou seja, já estavam prontos e apenas foi suavizado as bordas com a ajuda de uma máscara. Pequenas distorções no nariz foram executadas com a ferramenta Smudge (Dedinho). O vídeo também está publicado no blog da iPhoto Editora, onde também há outros posts interessantes.

Altair Hoppe >> O uso do Photoshop na produção do filme Avatar

Posted in Lightroom, Photoshop, Vídeos with tags , , , on janeiro 7, 2010 by Altair Hoppe

Além do desenvolvimento de novas câmeras para filmar e produzir o filme Avatar, James Cameron e equipe, também recorreram a ferramentas bem conhecidas do nosso dia-a-dia para criar o universo do planeta Pandora. No vídeo acima, divulgado pela Adobe, o produtor Jon Landau fala como o Photoshop foi importante para criar as texturas e a concepção de cenários. Sem falar no Lightroom, que também ajudou na organização de milhares de arquivos, que segundo o programa ClickBits da BBC, é necessário 1 Petabyte (500 discos rígidos de 2 Terabyte) para armazenar todo o projeto de Avatar. Lembrando que cerca de 60% do novo empreendimento de James Cameron foi realizado em 3D Fusion. Esta técnica inovadora requer mais poder de processamento e memória. De acordo com o site NordicHardware, 1 Petabyte custa 100.000 dólares. Por tudo isso fica a dica: quem ainda não assistiu o filme, se tiver a oportunidade, e principalmente uma sala de cinema 3D, não deixe de apreciar esta revolução!

Avatar, uma revolução muito além do cinema

Posted in Photoshop with tags , , , , , , on dezembro 22, 2009 by Altair Hoppe

Quem está com medo do fim do mundo em 21.12.2012, segundo o calendário Maya, pode ficar tranquilo. Para mim, o mundo acabou dia 19.12.2009. Foi nesse dia que assisti o filme Avatar, num cinema 3D. Gente, socorro! O filme é uma revolução sem precedentes. Foram criadas novas câmeras especialmente para filmar o universo criado por James Cameron, que esperou 15 anos para ter a tecnologia necessária para tirar o roteiro de Avatar da gaveta e por nas telonas. Saiba mais neste link: http://g1.globo.com.

Quando entrei no cinema e recebi os óculos 3D não botei muita fé. Imaginei que as cenas 3D seriam boas, mas nada além disso. Quase morri só na entrada dos trailers antes do filme. A qualidade das cenas é impressionante. Parece que a cena está na sua frente. E quando começou o filme, nossa! Levei susto, fiquei com medo de altura e tudo mais. A sensação é que entramos dentro de cada cena. Uma experiência única! Quando cheguei em casa, liguei a TV, bateu uma depressão bem grande ao ver o mundo no formato antigo, sem profundidade. Mas o que isso afeta o resto da imagem?

Bem, sempre sugiro em palestras, workshops e eventos de fotografia, que devemos nos alimentar do cinema, do teatro e de toda cultura ao nosso redor para inspirar e fortalecer nosso processo de edição, como habitualmente fazemos com livros, revistas e sites. Devemos estar antenados no mundo externo para criar o nosso próprio mundo, a nossa própria visão, misturando nossa experiência, nossa sensação, nossa criatividade com aquilo que nos cerca. Por isso, penso que Avatar será o combustível para uma revolução bem maior que nas telas de cinema. Que haverá um boom de filmes 3D, que as televisões, em breve, devem adotar a exibição também nesse formato é bem óbvio. No mercado das imagens estáticas, impressas em revistas, por exemplo, creio que teremos imagens 3D em livros, peças publicitárias e até conteúdo editorial. Só não sei se veremos isso com a ajuda dos óculos 3D ou a olho nu mesmo. E isso, com certeza, irá afetar o nosso processo de edição de imagens. Você já tentou simular um efeito 3D no Photoshop deslocando os canais de cor verde e magenta? Bem, esse é o processo antigo, mas após Avatar, em breve, teremos mecanismos mais avançados para transformar imagens bidimensionais em tridimensionais. É apenas uma questão de tempo. Se você acha que isso é muita ficção, na PhotoImageBrazil deste ano, a Fuji lançou a câmera FujiFilm FinePix Real 3D W1, uma câmera fotográfica que capta imagens em 3D (saiba mais neste link: www.terra.com.br).

O que foi usado na produção e filmagens de Avatar:

Motion capture – A tecnologia em “motion capture” – que transfere os movimentos e expressões de um ator para as telas em forma de imagem digitalizada – vem sendo aperfeiçoada desde o lançamento de O Expresso Polar (2004), de Robert Zemeckis. Com Avatar, ela toma novos rumos. O nível de perfeição atingido por James Cameron na composição das criaturas alienígenas do filme é alto. Quando colocados lado-a-lado, humanos e os extraterrestes de Pandora não parecem tão distantes. As expressões conseguidas são semelhantes às de atores frente a uma câmera normal. Tal trabalho foi realizado com o auxílio de um capacete, acoplado a uma câmera, criado especialmente para captar esses movimentos. Cameron disse que optou por esse sistema pelos avanços trazidos em personagens como por exemplo, Gollum (O senhor dos anéis , King Kong e Davy Jones de Piratas do Caribe)

3D estereoscópico – Até o momento, nenhum filme havia trabalhado com o 3D de forma tão impressionante quanto Avatar. Parte desse resultado veio com a criação de câmeras menores do que os trambolhos utilizados atualmente para filmar o gênero. Com essas pequenas preciosidades, o diretor pôde aprofundar a captação de imagens, melhorando também os movimentos e a profundidade do cenário. Em determinado momento do filme, mosquitos aparecem no meio da selva de Pandora. Sim, eles vão te incomodar um tanto, como se fossem reais, especialmente se conferir a produção nas salas IMAX de São Paulo ou Curitiba.

Cenários virtuais – A animação não será mais a mesma após Avatar. Filmes recentes, como Up – Altas Aventuras e Os Fantasmas de Scrooge, parecem bastante atrasados, tamanha a profundidade de cenários que Cameron consegue exibir. Para isso, foi necessário encomendar uma câmera nova ao estúdio Weta Digital, que pertence a Peter Jackson (O Senhor dos Anéis). Ela funciona desta maneira: enquanto os atores atuam diante do fundo verde, o diretor pode vê-los já interagindo com os cenários criados em computador. Um tremendo avanço se comparado às tecnologias atuais, que rodam as cenas e só depois incluem os efeitos. Se o cineasta for bom, a hipótese de ver um personagem mirando qualquer coisa menos aquilo que está ao seu redor – como já aconteceu em 2012, com John Cusack – é quase nula.

Por tudo isso, bem-vindo ao novo mundo, a um novo ciclo da imagem!