Arquivo para playboy

Larissa Riquelme, sem Photoshop, mas com muita plástica

Posted in Photoshop with tags , , , , , on setembro 24, 2010 by Altair Hoppe

A paraguaia Larrisa Riquelme arrebatou corações e torcedores durante e depois da Copa do Mundo. Além de bonita, Larissa chamou a atenção de todas as lentes do mundo pela ousadia ao colocar seu celular em seus fartos seios, bem visíveis e siliconados. Safadinha, ela! E a estratégia deu certo. Ficou famosa, super famosa! Neste mês, estrelou a capa da revista Playboy, em 3D – uma novidade no mercado editorial brasileiro. O que Larissa não esperava é que seu cirurgião plástico fosse revelar de onde vem sua beleza. E não tem nada de Photoshop. Tudo é fruto de diversas plásticas no queixo, pálpebras e nariz. O plástico Amin Mussi revelou tudo, em seu site, através de fotos antes e depois das cirurgias realizadas por ele. Observe as fotos abaixo. Fiquei até com vontate de fazer um tratamento com esse cirurgião em mim… risos…

Larissa Riquelme – Playboy / Setembro 2010

Larissa Riquelme - antes e depois

Desastres feitos no Photoshop

Posted in Photoshop with tags , , , , , , , , , on setembro 14, 2010 by Altair Hoppe

Observe a distância entre o ombro e a mão de Mary Jane

Conseguimos criar efeitos incríveis no Photoshop. Mas basta um segundo de desatenção e nossa criação vai de água abaixo. As falhas mais comuns nas montagens e edições é a remoção ou inclusão de membros. No Brasil, por exemplo, a revista Playboy em 2006 publicou uma modelo sem umbigo. Outra falha bem freqüente é a falta de proporção. Veja acima o cartaz do filme Homem-Aranha 2. Observe a distância do ombro até a mão da Mary Jane. Bem, estranho! Separei mais alguns casos. Veja abaixo os desastres. Por isso, todo cuidado é pouco. Além de revisar a arte, revise a ortografa e ainda peça a aprovação do cliente para evitar maiores riscos.

Capa da revista Playboy gera mais polêmica sobre o Photoshop

Posted in Photoshop with tags , , , , , , , , on junho 30, 2010 by Altair Hoppe

A discussão sobre o uso indevido do Photoshop não é uma onda, é uma tsunami! Quase todo dia aparece uma imagem de campanha publicitária ou capa de revista com celebridades esquentando o debate. O caso da semana é a capa da revista Playboy de julho de 2010, que está chegando nas bancas. A estrela do periódico é a jornalista Mônica Apor, repórter do programa TV Fama, exibido na Rede TV! Moça bonita, curvas bem definidas, e…. sem peitinho! Opa, sem peitinho não vale. A discussão está exatamente aí. Na foto de capa a repórter está com os seios bem a mostra, no entanto, não aparecem seus mamilos. Claro que, não cairia bem, esteticamente, eles aparecerem, mas a manipulação está dando o que falar. Veja a imagem acima. Embora, vale ressaltar,  mais uma vez, que o Photoshop não é o culpado. Ele é apenas a ferramenta. A decisão de alterar a estética é do editor de fotografia, do fotógrafo ou profissional responsável pela edição. Há casos, em que as falhas são deslizes, desatenção. Na própria Playboy foi publicada uma foto, em novembro de 2005, de uma modelo sem umbigo. Foto era em página inteira. Óbvio, o objetivo não era esse. Veja a imagem abaixo!

Altair Hoppe >> Ingleses proibem anúncio retocado no Photoshop

Posted in Photoshop, Revistas with tags , , , , , , , , , , on janeiro 8, 2010 by Altair Hoppe

Há duas semanas publiquei aqui um artigo sobre um projeto na França para inclusão dos créditos em fotos retocadas pelo Photoshop. Hoje, dei de cara no jornal O Globo, com mais um caso do gênero. Agora na Inglaterra houve a proibição de um anúncio com retoques generosos feitos pelo Photoshop. A peça publicitária trouxe uma foto da modelo Twiggy, de 60 anos, sem marcas de expressão, sugerindo que o produto que ela usa (um creme antirrugas), faz verdadeiros milagres no tratamento das rugas e das olheiras (olhe novamente acima a foto do anúncio e a original da modelo sem retoques – complicado, né?).

A suspensão se baseou no pedido de mais de 700 reclamações das consumidoras. Segundo a Advertising Standard Authority, que determinou a suspensão, o anúncio é “socialmente irresponsável” porque pode aumentar a percepção negativa que as mulheres têm do envelhecimento e da própria imagem. Além, de considerar a propaganda é enganosa, sugerindo soluções que o produto não faz. Em nota, a instituição afirmou: “Consideramos que os consumidores poderiam ter uma expectativa irreal em relação ao produto com base nestas imagens. As mulheres sabem que modelos são maquiadas e produzidas antes das fotos, mas não concordamos com imagens excessivamente tratadas em programas como o Photoshop.”

O fabricante do creme, a Procter&Gamble, respondeu dizendo que não achava que as imagens teriam tanto impacto, principalmente por se tratar de um produtos para mulheres mais velhas, geralmente mais bem-resolvidas com sua autoimagem. Além disso, a empresa lembrou que existe sempre “diferenças entre imagens feitas por paparazzi e as feitas por profissionais da indústria da beleza”. A P&G admitiu que os olhos de Twiggy foram “levemente” retocados no computador. Leia a matéria na íntegra no link: www.oglobo.com

O bicho vai pegar ainda mais quando essa discussão chegar nos retoques feitos em revistas femininas, que usam e abusam da remoção de marcas de expressão, textura de pele e formas do rosto e do corpo. Já pensou um ensaio inteiro da Playboy sem fotos retocadas?